Mobilização Já!

350 famílias podem ser despejadas de suas casas no dia 13 de abril em Porto Alegre

DSC01871

16 de março, no dia da derruba do Veto das AEIS

Fonte: Rogéria Araújo (Jubileu Sul Brasil)

A ordem de despejo que ameaça 350 famílias das ocupações Progresso e Império, situadas na Zona Norte de Porto Alegre, não pode se concretizar. Por isso, movimentos sociais, organizações e frentes de moradias intensificam uma campanha a partir de hoje e até o dia 13 – quando está previsto o despejo – para unir forças e buscar apoio para que a integridade dessas famílias e o direito à moradia sejam respeitados. Dentre as famílias, 50 são haitianas.

A notícia da possibilidade do despejo chegou aos moradores das ocupações ontem (8) pela manhã, segundo informou a militante Cláudia Favaro, da Resistência Urbana. O mais grave é que a informação chega depois de uma grande vitória dos moradores das ocupações e das articulações. No último dia 16 de março, uma ação organizada – fruto de vários debates e processos de mobilização – conseguiu derrubar o veto do prefeitura que ia de forma contrária ao Projeto de Lei que transformava 14 ocupações em Áreas Especial de Interesse Social (AEIS). Portanto, os movimentos querem que a Lei seja cumprida e que as famílias permaneçam no local.

Tanto a ocupação Progresso quanto a Império estão incluídas. A votação em favor do Projeto de Lei, de autoria da vereadora Fernanda Melchiona, do PSOL/RS, que determina os terrenos de ocupação como AEIS aconteceu em dezembro de ano passado. Mas ainda precisou passar pelo prefeito José Fortunati (PDT), que anunciou o veto em fevereiro deste ano. Com a derrubada do veto, a decisão de manter as famílias precisa ser cumprida. O PL foi baseado no fato de as propriedades não terem função social.

Haitianos/as

Os haitianos Celavy Jean e Getoni Gustinivil, mostram seus documentos. Ambos juridicamente legais.

Os haitianos Celavy Jean e Getoni Gustinivil, mostram seus documentos. Ambos juridicamente legais.

As duas ocupações tiveram início no primeiro semestre do ano passado. Das 350 famílias que ocupam a área, 50 são haitianas e, por conta do forte processo de migração – se encontram em situação ainda mais delicada. Vitimas de uma epidemia do cólera, de terremotos e de um processo político sob comando estadunidense e francês, a condição haitiana resultou num fenômeno de forte de migração, sobretudo para o Brasil.

Segundo dados do Instituto Migrações e Direitos Humanos (IMDH), somando os pedidos através dos consulados ou pelas fronteiras, até o final de 2014 estima-se que 54.373 pediram visto para entrar no país.

Apesar da abertura para a presença de haitianos, eles enfrentam graves problemas de readaptação no Brasil. A moradia é uma delas, de acordo com Fedo Bacourt, da União Social de Imigrantes Haitianos (USIH). Muitos haitianos precisam se estabelecer com suas famílias e não têm oportunidade. A questão do idioma também é outra dificuldade. Equipamentos públicos (escolas, postos médicos) não estão preparados para receber os haitianos por conta da dificuldade de se fazer entender.

Apoios

Por conta da gravidade da situação, a militante Cláudia Favaro e demais movimentos e organizações sociais de Porto Alegre pedem apoio para impedir o despejo, seja com notas, divulgação nas redes sociais, suporte jurídico, informações sobre migração, etc.

Contatos:

Cláudia Favaro: (51) 96669274

Ilisiane Alves: (51) 84709757

Fotos: Vinícius Zuanazzi

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: